Páginas

07 janeiro 2019

Reiteramos alerta histórico sobre agrotóxicos



As recentes detecções de resíduos do veneno agrícola 2,4-D fora dos ambientes de lavouras no Rio Grande do Sul servem para comprovar, lamentavelmente, que os alertas emitidos há vários anos pela Agapan - Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural, e outras entidades defensoras da vida, não podem continuar sendo desconsiderados pelas autoridades públicas do Estado, dos municípios e da União.
Os resíduos do veneno utilizado em lavouras de soja encontrados na praça localizada em frente ao Hospital Santa Casa de Santana de livramento, no Centro da cidade - comprovado por laudo laboratorial, é uma afronta ao bom senso social. O caso radicaliza os fatos já extremamente preocupantes da contaminação de videiras e oliveiras por veneno agrícola no RS e do sumiço de abelhas, essas fundamentais para a produção de alimentos.
Esses fatos não podem ser menosprezados pelos agentes de saúde pública, governo do Estado, Ministério Público, Secretarias da Saúde e do Meio Ambiente. Exigimos das autoridades públicas medidas cabais para evitar a contaminação da população, das fontes hídricas, da flora e da fauna gaúcha com esses pesticidas inaceitáveis em nossa sociedade. No atual ritmo crescente e altamente permissivo do uso de venenos agrícolas, o controle passa a ser cada vez mais difícil e os riscos crescem de forma exponencial. Reiteramos, também, a cobrança pelo compromisso do Estado com os licenciamentos e fiscalização de atividades de risco. O fortalecimento dos órgãos públicos responsáveis pelo licenciamento, controle e fiscalização de áreas agrícola e de saúde é de suma importância, vital para a sociedade.
Também já alertamos, há várias décadas, que a única alternativa viável para manter a nossa sociedade alimentada e saudável é a agroecologia, que produz com tecnologias de ponta, sem venenos, e precisa ser incentivada fortemente no Estado e no Brasil. Nosso país tem potencial para ser um dos maiores produtores de alimentos saudáveis, sem veneno.
Mais uma vez, conclamamos o poder público para trabalhar no sentido de mudar radicalmente o sistema de produção agrícola, eliminando do cenário produtivo os venenos prejudiciais à população. A Agapan se coloca à disposição dos tomadores de decisões dos Estados e dos municípios para colaborar com o processo de descontaminação agrícola e dos recursos naturais brasileiros.

Notícias relacionadas:






Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça aqui o seu comentário!